Recentemente, uma tecnologia vem se destacando e causando a admiração de pessoas de todo o mundo. A impressão 3D, que mais parece ter saído dos desenhos animados futuristas – como os Jetsons – é uma realidade e já chegou ao mercado, para que se popularize entre os entusiastas da tecnologia.

Como funciona a impressora 3D

Tecnologia antiga

Mas saiba que a impressão 3D não é algo novo. Nos Estados Unidos, as impressoras 3D já são aperfeiçoadas há mais de vinte seis anos, sendo que no Brasil, há vinte anos empresas (principalmente) utilizam as impressoras 3D. Somente agora, com a quebra de patentes e barateamento de custos, é que se tornaram visíveis e, principalmente possíveis, para o grande público.

É claro que a tecnologia evoluiu muitíssimo nos últimos anos, e hoje é possível recriar peças, ou imagens em 3D, em cerâmica, plástico, gesso, aço, materiais biocompatíveis, alumínio, titânio e muitos outros materiais. Até uma arma de fogo foi recriada no Texas, nos Estados Unidos – o que gerou muita polêmica em todo o mundo. Você pode imprimir qualquer coisa – de utensílios de plástico a próteses humanas. O problema maior nem é a possibilidade de impressão, mas se o objeto a ser impresso está ajustado à impressora.

Aplicações

Não há limitações para o uso da impressora 3D: construção civil, medicina, indústria automobilística, desenvolvimento de implantes, moda, em qualquer segmento que requer protótipos em geral, indústria de brinquedos e entretenimento, etc.

Muitas empresas, principalmente nos Estados Unidos, já lançam produtos e serviços personalizados com a impressora 3D – você pode criar, por exemplo, bonecos com as suas características ou de seu super-herói favorito no tamanho que quiser. Capas de celulares e tablets, miniaturas de automóveis e motocicletas, armações de óculos, e muito mais.

Os usos da impressora 3D para o público em geral ainda vem sendo pesquisado e é campo de grandes oportunidades de investimento. A medicina parece ser uma área.

Como funciona uma impressora 3D

Para projetar um objeto em 3D, hoje é tarefa muito fácil de ser executada. Basta utilizar um aplicativo que lide com objetos 3D e mandá-lo direto para a impressão, em uma impressora do gênero. Antigamente, o processo era muito mais dispendioso e truncado, já que era preciso desenhar o objeto de forma convencional sob diversas perspectivas e depois fazer um protótipo com um artesão técnico. Ficou, desta forma, muito mais fácil testar produtos e concebê-los com uma menor margem de erros – isso, em todos os segmentos da indústria. Outras etapas do processo produtivo também foram facilitadas com a criação da impressora 3D. Lixamento, acabamento, resíduos tóxicos do acabamento, etc.

Além disso, há diversas tecnologias diferentes envolvidas no processo de produção 3D. E muitas formas de impressão também. Cada forma possui um objetivo e suas próprias vantagens.

A forma mais tradicional de impressão 3D consiste na sobreposição de diversas lâminas de polímeros, coladas através de um cartucho especial de cola – o corte e a colagem é bem sistemático. Na impressão 3D tradicional, há 5 opções de cores, sendo que toda a peça é coberta. Quando concluída a impressão, que pode demorar até horas, dependendo da peça, deve-se retirar o objeto do bloco principal.

Há um segundo método de impressão 3D, baseada em aplicação jateada por um material em pó por meio de um cartucho de impressão. Cada parte é colada por um conteúdo adesivo. Todo o processo é mais rápido que o primeiro já citado, sendo que a pintura possui finalização colorida.

Há ainda um tipo de impressão 3D que utiliza cartuchos de fotopolímeros são inseridos em estado líquido, por camadas, através de uma lâmpada ultravioleta.

Outro tipo de impressora utiliza materiais sólidos (conhecidos como ABS). Estes materiais são aquecidos em uma câmara e derretidos para serem injetados. O processo utiliza calor e o objeto é resfriado logo depois de produzido.

Há ainda a micro-fabricação tridimensional em gel, que utiliza lasers para que ele se torne sólido. É ideal para peças pequenas.

Crie tudo em alguns segundos

Além de objetos de teste, hoje é possível conceber qualquer objeto sólido em 3D para os mais diversos fins, com formatos e funções bem completas, sem a necessidade de complementá-las com objetos de outras tecnologias que não 3D. E a vantagem que as impressoras 3D já chegaram ao mercado com um preço bem baixo – há máquinas por U$ 2 mil sendo vendidas pela internet – inclusive em lojas virtuais brasileiras.

A fronteira final é o uso da impressora 3D em ambientes domésticos – onde futuramente você poderá imprimir qualquer coisa em casa. Isso já é parcialmente possível, mas as empresas estão focando cada vez mais no uso domésticos. Empresas de games e entretenimento, por exemplo, já estudam lançar protótipos de consoles a serem impressos pelos usuários em suas casas. O que antes parecia ser algo que se via em filmes de ficção científica, a cada dia se torna possível e vai se inserindo na rotina de todos nós.