Aplicativos de delivery: Entenda como funcionam

Muitos empreendedores estão aprendendo agora como funciona um aplicativo de delivery. Isso porque a quarentena causada pelo novo coronavírus trouxe uma mudança enorme para seus negócios.

Como as restrições de quarentena não permitem que muitos empreendimentos fiquem de portas abertas para receber o público, a saída para esses negócios é operar via delivery.

Até quem pode atender o público está vendendo muito mais em aplicativos como o Rappi Delivery. Um exemplo disso são as farmácias, um dos setores que mais cresceu nessa crise.

Aplicativos de delivery: Entenda como funcionam

E você, sabe como funciona um aplicativo de delivery? Então venha aprender!

Como funciona um aplicativo de delivery?

Até alguns anos atrás, o delivery era um sistema de venda restrito majoritariamente para as pizzarias. Alguns outros restaurantes até usavam o sistema, mas ele era mais para pizzas.

Além disso, cada pizzaria tinha o seu sistema. Em algumas, era necessário ligar e fazer o seu pedido, falando com uma atendente.

Já em outras, o pedido já poderia ser feito digitalmente pela Internet ou, em casos raros, em aplicativos de smartphones.

Tudo mudou quando os primeiros aplicativos de delivery, como o iFood, Uber Eats, Rappi ou Glovo apareceram.

O que eles fazem é reunir em um único aplicativo todo o tipo de restaurante e, em alguns casos, farmácias, supermercados e outros tipos de serviços.

O que parecia ruim para os negócios gastronômicos era, na verdade, uma excelente ideia. Isso porque um cliente de delivery nunca pede um só prato. Eventualmente ele pede outro e outro.

Ou seja: a pessoa que quer uma pizza hoje, pode querer uma salada amanhã. Quem pede por um hambúrguer na sexta-feira pode pedir por um sushi no sábado.

Por isso, os aplicativos passaram a ganhar muito destaque por oferecer uma série de vantagens para todos os envolvidos.

Para os clientes, há a comodidade de ter vários tipos de restaurantes ao seu dispor, além de ter a confiança de que são negócios legítimos e que tudo será entregue adequadamente.

Para os restaurantes, há o custo reduzido por não precisar de um serviço de delivery próprio e aumentar o seu número de pedidos por causa da grande audiência.

Para os entregadores, é a certeza de um fluxo estável de pedidos que permite que eles possam colocar comida na mesa mesmo em crises financeiras.

E como é a interface desse sistema?

Para um restaurante, não basta saber como funciona um aplicativo de delivery conceitualmente, é necessário saber como é a interface diária deles.

Para explicar, usaremos o Rappi Delivery como exemplo.

No aplicativo da startup colombiana, que é um dos que mais cresce no país, o restaurante recebe um login e senha para usar no RappiAliado, que é o aplicativo para restaurantes.

Nele, basta usar o login e senha para entrar e poder gerenciar toda a atividade do seu restaurante dentro do Rappi.

É nesse aplicativo que você controlará o seu cardápio, colocará fotos dos produtos, determinará o preço e colocará todos os ingredientes de cada prato.

Além disso, é por esse aplicativo que você será avisado de um novo pedido. Basicamente, o app dirá quem comprou, quando comprou e o que foi comprado e pedirá que você comece a produzir.

Quando terminar, é só avisar pelo aplicativo para que um entregador seja designado para recolher o pedido e levar para o usuário.

Nesse meio tempo, o restaurante pode acompanhar todo o percurso, ver se tudo foi entregue corretamente e conversar com os clientes caso seja necessário.

E como é a lógica interna do app?

Se você quer ter sucesso de verdade com apps desse tipo, precisa saber como funciona um aplicativo de delivery por dentro. Ou seja: quais são os mecanismos que fazem com que ele opere.

Para entender como funciona um app de entregas, é importante pensar em seu modelo de negócios.

Um aplicativo do tipo ganha dinheiro sempre que uma venda é feita. É a comissão que eles recebem de cada restaurante.

Se 1 milhão de pratos forem vendidos por dia, o aplicativo recebe milhões de reais. Se só venderem 50 pratos, recebem apenas algumas dezenas.

Portanto, o objetivo do aplicativo é gerar o máximo de vendas possível. Para isso, ele funciona de modo a privilegiar os pedidos positivos, para que seus usuários continuem usando o app.

Dessa forma, os restaurantes que atendem melhor os seus clientes (ou seja, com mais rapidez e mais qualidade) tendem a ser os “queridinhos” do app pois são aqueles que vão gerar clientes mais fiéis.

Portanto, para vender mais com um aplicativo de delivery, é essencial que você entenda que precisa agilizar a produção dos pedidos feitos e que eles sejam de muita qualidade para ganhar notas máximas.

Agora você já sabe como funciona um aplicativo de entrega em todos os aspectos: sabe como é a sua interface, qual é o seu modelo de negócios e quais as regras que regem o sucesso ali dentro.

Antes de sair para ir se inscrever no seu app favorito, deixe um comentário abaixo com a sua opinião sobre os aplicativos de entrega!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.