Todo mundo tem um aparelho móvel de telefone, mas ninguém sabe como aconteceu a evolução do celular. Do telefone que mais parecia um fixo sem fio ao tijolão até telefone inteligente compacto, os celulares passaram por uma verdadeira transformação desde a sua criação até sua popularização.

Se hoje podemos utilizar a internet, trocar mensagens instantâneas, jogar, tirar fotos online e compartilhá-las com amigos, ler e editar textos, criar vídeos e personalizar o smartphone a nosso gosto e vontade, os primeiros celulares tinham apenas o objetivo de tentar estabelecer uma ligação telefônica em um aparelho que pudesse ser movido de um lugar a outro e não estivesse conectado a nenhuma base.

Era uma vez…

O sonho começou em meados da década de 1940: criar um aparelho que permitisse com que as pessoas pudesse conversar em qualquer lugar, mas que não fosse um rádio. A teoria era muito bonita, porém a prática era quase inconcebível.

Quase trinta anos, em 1973 o sonho se tornou verdade: Marty Cooper, um engenheiro da Motorola conseguiu ligar das ruas de Nova York através de um celular a um concorrente chamado Joel Engel, da empresa Bell Labs.

Dez anos depois o primeiro aparelho telefone celular começou a ser vendido: o histórico Motorola DynaTac tinha 13’’, pesava quase 800 gramas e custava 4 mil dólares (que convertidos em moeda atual dariam o valor aproximado de 10 mil dólares).

Com esse aparelho era possível fazer ligação de até uma hora e após esse tempo era necessário realizar a recarga do aparelho: 8 horas em modo standby.

Esse aparelho era muito similar aos modelos de telefone fixo sem fio que caíram no gosto popular na década de 90.A evolução do celular

O avanço da década de 1990 – A evolução do celular

Foi na chegada da última década do século XX que surgiu o famoso “tijolão”. O aparelho era bastante inovador: sendo um update do DynaTac, seu nome oficial era MicroTac 9800X. Ele era o mais leve da época, pesando menos de 400 gramas e tendo apenas 22 centímetros. Além disso, ele possuía uma antena retrátil, abertura em flip, teclas avulsas e visor avermelhado para se identificar para qual número estava sendo realizada a ligação.

Em 1994 foi criado um modelo que é considerado como o primeiro telefone inteligente ou smartphone: apesar de ser muito robusto, ele era inovador – possuía seu próprio sistema operacional, permitia a escrita de e-mails, faxes, a realização de ligações telefônicas e envio de mensagens de pager. Sua tela era em touchscreen e ele vinha acompanhado de uma “caneta” para utilização.

Esse aparelho era o IBM Simon Personal Communicator, criado pela IBM em parceria com a Mitsubishi. Apesar da extrema funcionalidade, ele não vingou: em 1997 deixou de ser fabricado e vendido.

No ano de 1996 foi cheio de novidades: o Startac – o celular compacto, de bolsa, foi lançado pela Motorola e ganhou o gosto popular. Além de charmoso, ele tinha vibracall. No mesmo ano, o Hagenuk MT-200 foi lançado: ele foi o primeiro celular que teve jogo (uma versão do Tetris) e com antena embutida.

O ano seguinte foi marcado pelo lançamento do primeiro celular que permitia acesso à internet via Wap: era o Nokia 7110. Em 1999 foi lançado o primeiro modelo com câmera digital e tela colorida – o J-Sho 4 foi desenvolvido pela Sharp.

As maravilhas dos anos 2000

Aqui, a evolução do celular recebeu um passo muito importante.Logo no início dos anos 2000 foi lançado o primeiro celular com teclado Qwerty – o primeiro BlackBerry (Quark ou 6210) é considerado como um dos pais do smartphone e fez muito sucesso entre os executivos.

Já em 2003, o Palm Treo 600 possuía função de calendário, câmera e leitura de MP3. Mas foi o Nokia 1100 – aquele do jogo da cobrinha, com teclas brancas, sem antena, com lanterna e muito barato – que fez a fama.

Dois anos depois, a Nokia lançou um modelo que era bastante sofisticado: era o N70 – com duas câmeras (uma de 2 MP), sintonizador de rádio FM, tocador de áudio, imagem nítida.

A vez dos smartphones

Em 2007 a Apple lançou o celular que revolucionou a forma de se usar a tecnologia móvel: era o primeiro iPhone: a ideia era a mesma empregada atualmente nos modelos de smartphone do mercado – um celular que tem as funções básicas de telefonia, te mantém conectado, permite registros diversos e ainda serve de rádio.

O Android, um dos sistemas operacionais mais utilizados pelos usuários dos smartphones foi lançado no mesmo ano, em um celular pouco conhecido: o HTC Dream. O sistema operacional seguia a padronização Linux.

Depois dessa data os smartphones foram sofrendo sua evolução própria, agregando conteúdo e funcionalidades diversas: 3G, 4G, wi-fi, infravermelho (mais tarde substituído pelo bluetooth), GPS, câmeras de melhor definição, telas de retina, cartão de memória, um chip, dois chips, três chips, etc.

No ano de 2009 a LG causou outra revolução lançando no mercado um smartwatch (relógio inteligente). Ele pode acessar a internet, atender a comandos por voz, realizar videochamadas e muito mais. Atualmente, outras marcas aderiram a ideia e estão projetando seus próprios modelos.

A evolução do celular  não para e causa uma verdadeira revolução na vida dos adeptos da tecnologia. E pensar que tudo começou com um passo e um sonho de fazer uma ligação da esquina!